O Selo


Perguntas frequentes

Qual a referência empregada para o valor de uma peça?

Para selos do Brasil empregamos o Catálogo de Selos do Brasil – RHM. Este livro traz os valores dos selos novos e carimbados de 1843 até a presente data. Esta obra traz também informações sobre os valores de outros itens filatélicos. O Catálogo de Selos do Brasil funciona como referência de valor. Isso significa que dependendo da qualidade da peça o valor inicial pode ser inferior ou até mesmo superior à cotação apresentada. Para selos de outros países indicamos o Catálogo utilizado. Cada país edita o seu catálogo de Selos. Por exemplo: Alemanha – Catálogo Michel, França – Catálogo Yvert & Tellier, Estados Unidos da América do Norte – Catálogo Scott – Grã-Bretanha – Catálogo Stanley Gibbons, Itália – Catálogo Sassone, Japão – Catálogo Sakura e assim por diante.

Posso vender os meus selos no site do leilão?

Pode desde que as peças sejam de valor e passem por uma avaliação de nosso pessoal especializado. Os selos de maior valor terão que ter um certificado de autenticidade.

Quem faz os certificados de autenticidade?

A nossa empresa faz este tipo de serviço com o apoio de um laboratório universitário. O serviço é cobrado.

Quer avaliar seus selos?

Você tem selos e não sabe o valor. Há duas maneiras de fazê-lo: Adquirir um Catálogo de Selos e através deste realizar a difícil tarefa de classificar, verificar o estado de conservação, denteação, filigrana, autenticidade, etc. Somar o valor total e procurar uma filatélica que precise destes selos. Os selos mais raros são mais fáceis de vender e geralmente acompanham um certificado de autenticidade. Os selos comuns, de 1940 em diante e de todos os países, são vendidos por pouco dinheiro (com raríssimas exceções). A segunda forma será contratar um avaliador. Este profissional, como todos os outros, cobra pelo serviço. Aqueles que fazem isso de graça estão sendo remunerados na compra. Para evitar gastos inúteis com um avaliador mande as imagens para peter@oselo.com.br. Darei as informações úteis sem cobrar nada dizendo: a) Vale a pena uma avaliação profissional. O valor gasto é inferior a 2% do valor do objeto. b) Compre um catálogo de selos. c) Não compre nada. Doe os seus selos à uma instituição qualquer (Rotary, Clube filatélico). Os catálogos são vendidos nos site, como www.oselo.com.br Cordialmente Equipe RHM Por Peter Meyer Editor dos Catálogos de Selos e História Postal do Brasil ATENÇÃO: NÃO TEMOS AVALIADORES FORA DA CIDADE DE SÃO PAULO.

Selo é investimento?

Sim, desde que as peças adquiridas sejam de valor elevado. Filatelia é semelhante à arte. Não adianta comprar peças de pouco valor pois 1.000 peças de R$ 1,00 não são equivalentes a uma peça de R$ 1.000. A peça que valoriza já é cara, pois ela assim já era em 1900 quando o primeiro estabelecimento filatélico fechou as portas no Rio de Janeiro.

Desejo saber mais a respeito, o que devo fazer?

Você pode ler diversas matérias relacionadas no site www.oselo.com.br. Lá você encontrará também um Manual de Filatelia e diversos Catálogos de Selos do Brasil e de outros países. Estudar, ler é a única forma de aprender mais a respeito. Saiba também que no caso de ter uma boa coleção de selos é um legado que pode ser vendido em partes, ao contrário de outros bens que só podem ser vendidos integralmente, como por exemplo imóveis, automóveis, etc.